quinta-feira, maio 04, 2006

O post sério



Este não é para rir, mas sim para aplaudir. Falo da medida da Presidente da Câmara de Vila de Rei, em "importar" 60 famílias brasileiras até final de 2008, para trabalhar em vários postos de emprego do concelho.

O concelho, situado exactamente no centro geográfico do país, até não apresenta taxa de desemprego considerável, mas debate-se com a realidade de muitos dos que lá trabalham serem residentes nos concelhos limítrofes. Esta medida é assim um tiro no alvo, na direcção de fixar habitantes no concelho a curto prazo, e de tentar até aumentar as taxas de natalidade a médio ou longo prazo.

Não faço a mínima ideia da cor política desta presidente, mas nem me interessa. Tiro o chapéu à ideia, que não é aliás original, porque segue a forma inteligente como, por exemplo, americanos e australianos utilizam a imigração para povoar zonas desertificadas dos seus vastos territórios e não só e apenas para engarrafar ainda mais as grandes cidades.

Tapa-carros



Cada vez se ausenta mais do panorama visual das ruas portuguesas aquela que foi uma moda bem presente durante muitos anos.

Falo, pois claro, dos oleados cinzentos que serviam para tapar (e proteger) o carro, aquando do seu estacionamento. Era uma bela moda, uma vez que além de colorir de alegre cinzentão os arrebaldes dos passeios, devia confundir o pobre condutor. Imaginemos o fulano X, que sai de casa para ir para o trabalho e vê uma rua plena de carros cobertos de cinzento. Eu sei que aquilo tinha a matrícula escrita por fora, mas mesmo assim não devia ser fácil a minuciosa investigação.

Já para não falar dos pobres larápios, que tinham de violar o oleado para descobrir em primeiro lugar qual o carro oculto (tipo "surpresa da Kinder") e depois aquilatar da possibilidade de o assaltar ou vandalizar.

Enfim, a tradição já não é o que era...