quarta-feira, dezembro 27, 2006

Os filmes de animação que ninguém viu



Todos os anos as salas de cinema se enchem de míudos e graúdos, destinados a ver as mais recentes pérolas de animação, vulgo desenho animado. O problema é que uma data de filmes de animação não chegam às salas, nem sequer ao DVD...

A vossa sorte é este grande (e humilde) blog ter a enorme (e modesta) possibilidade de vos fazer uma sinopse dos filmes que ninguém viu. Se depois os quiserem ver, trocamos DVDs destes filmes com semanas de férias em time-sharing (de preferência no aldeamento turístico Las Palomas, ao pé de Almería, onde a senhora da recepção é uma jóia de pessoa).

Sheko
- História de um sobrinho afastado do Incrível Hulk, naturalmente verde de tonalidade, e natural da pequena aldeia de Brnocesky, sita na República Checa. O pequeno Sheko cresce pensando que ninguém é mais feio do que ele, até ao dia em que a família monta em casa uma antena parabólica e apanham o Carlos Castro a falar na RTP Internacional. De súbito Sheko desenvolve uma paixão sem fim (não, não é pelo Carlos Castro) pela dona Sónia Araújo e resolve iniciar um périplo até aos estúdios da Edipim no Reino do PIB mais baixo da Europa Lá Longe Bem Longe. O fim logo vêem, mas levanto um pouco o véu para vos dizer que Manuel Luís Goucha tem um papel fundamental na história, tentando vestir à sua imagem o pobre Sheko.


Toy História
- Com recurso a desenhos muito "manga" é-nos trazida pela Dreamworks a história de Toy, desde petiz a correr descalço em Setúbal, até à sua idade adulta, em que ganhou o dom de inventar uma letra no momento sobre tudo o que se passa na sua vida.


A Idade do Mello
- Um grupo de mamutes da era glaciar apercebe-se da privatização imediata da maior parte dos icebergs, bem como da necessidade de procederem à aquisição imediata de planos de poupança reforma, para assegurar a sua liquidez financeira aquando do possível degelo.

terça-feira, dezembro 26, 2006

É isso, vamos lá deturpar



Ramos-Horta, Prémio Nobel da Paz, timorense, e dono de um lacinho de fazer inveja a Baptista Bastos, disse hoje, quando entrevistado pela BBC a propósito da época natalícia, que o seu destinatário de boas festas poderia muito bem ser Bin Laden, acrescentando que lhe endereçaria as boas festas, dizendo-lhe ao mesmo tempo que não odeia um único muçulmano, apesar do que se passou com a Indonésia em Timor. Explicou que pediria a Bin Laden que lutasse pelos seus ideais e pelos direitos de todos os muçulmanos, mas através do diálogo e das palavras, e nunca através do ódio e do massacre de outras vidas humanas.

Isto poderia ficar por aqui. O que se passa é que os orgãos de comunicação social portugueses, mestres na arte de mal noticiar, não param de encher o cabeçalho das suas edições on-line com títulos sensacionalistas, como "Ramos-Horta felicita Bin Laden" ou "Ramos-Horta dá as boas festas ao seu "irmão" Bin Laden".

Eu pensava que o Natal não era boa altura para deturpar, mas já que é, pois deturpemos. Aqui vão mais uns títulos de notícias, propostos pelo Oranginalidade.


"Quaresma admite que rouba"

Notícia: O jogador do Futebol Clube do Porto, admitiu em entrevista ao nosso jornal que rouba frequentemente uma ou outra batata frita da travessa, ainda antes de as tirar para o prato. Refere ser um vício que ficou de míudo e confessa aliás que "quem diz uma batata diz duas ou três, porque eu gosto das batatas ainda quentinhas e estaladiças".

"Papa consome drogas"

Notícia: Sua Santidade Bento XVI, viu-se recentemente confrontado com valores de tensão um bocadinho acima da média. Os médicos do Vaticano contaram ao nosso jornal que os cozinheiros do papado têm instruções para cortar no sal, e que de momento, por prescrição médica, o Papa consome drogas anti-hipertensoras, para tentar resolver a situação.

"Belmiro de Azevedo compra Itália"
Notícia: resolvendo meter-se no pequeno comércio, o empresário nortenho adquiriu recentemente por trespasse a pastelaria Itália, na cidade de Aveiro. Instado a comentar o futuro da pastelaria, Belmiro já assumiu que os ovos moles continuarão a pontificar como especialidade da casa, mas que vai baixar o preço dos salgados e dos quartos de leite Vigor em cerca de 35% para cativar clientela.

domingo, dezembro 24, 2006

O Noddy, os Queen e a Época Natalícia.

A todos peço calma. Sei que o título do post assusta, mas aviso que os três temas são para tratar em separado.


O Noddy


O Noddy já é taxista. Mas se ainda fosse criança e vivesse numa aldeia portuguesa onde só há idosos (o que não é o caso da Cidade dos Brinquedos)... a escola do Noddy iria fechar. Perante tal facto, apenas poderíamos alterar o famoso genérico para "Abram aulas para o Noddy".


Os Queen




Não sei se são fãs... mas para quem goste minimamente dos Queen (no meu caso, até os adoro), o espectáculo "em cena" no Casino de Lisboa até 30 de Dezembro é imperdível. Uma imitação tão real dos verdadeiros Queen, que quase arrepia. Só é pena não contar com uma sala diferente do Auditório dos Oceanos, que apesar de ser um belo auditório, é um pouco constrangedor para as pessoas se levantarem da cadeira e dançar ao som dos Queen.


A Época Natalícia



Pois é... mais um Natal que passa e não posso esperar pela minha visão favorita: os caixotes cheios de papel e laços no dia 25 e a malta toda a queixar-se da crise do costume. Quão bom seria se um destes anos para variar, alguém parasse para pensar no que realmente se pode dar de especial nesta quadra. E lembrar, passe o cliché, que ao lado da nossa alegria e entusiasmo com os presentes (cuja maior parte vai ser esquecida num ápice e nunca mais lhes ligamos), há pessoas que não têm sequer um tecto para passar esta noite.

Feliz Natal e um Óptimo Ano Novo, são os votos do Oranginalidade.

P.S.: O Pai Natal contou-me que o Freddie Mercury e o Noddy sempre foram grandes amigos.

segunda-feira, dezembro 04, 2006

A comédia em que vivemos



Está confirmado o fim da SIC Comédia. Acho que faz todo o sentido. Afinal toda a evolução da TV Cabo deixava adivinhar esta situação. É de todo interessante que o fim de um dos melhores canais do cabo seja acompanhado por um aumento na mensalidade do serviço.

A TV Cabo consegue a proeza de acabar com a montra da melhor programação humorística nacional (eu quero lá saber se os mesmos episódios eram repetidos muitas vezes). Mas nada temam. Pode acabar a SIC Comédia, mas vêm aí a Al-Jazeera e a France 24. Por isso, quando estiverem cansados, tristes ou de mal com a vida, onde antes ligavam alegremente o 10 (pelo menos em Lisboa) para largar umas boas gargalhadas, podem agora optar por saber a meteorologia em Islamabad ou em Nantes, que é algo que vai muito mais de encontro às necessidades do cliente TV Cabo.

Aliás deve mesmo ter sido feito um estudo de mercado que apontava para a imperiosidade de colmatar tais falhas.

O Oranginalidade sabe de antemão que a TV Cabo pensa seriamente incluir na sua grelha a partir de Março de 2007 mais alguns canais interessantes como:

- Radio Television of Papua-New Guinea
- Discovery Pato Donald e sobrinhos
- Canal "Como engrominar clientes de serviço cabo com canais da treta e fazer uma fortuna"
- Canal Floribella

É só aguardar, eles andam aí...