domingo, novembro 12, 2006

O meu momento Professor Marcelo



Hoje apetece-me comentar. No meu esforço de revisitar posts antigos aqui do meu estaminé. Quando não fui eu dar com os comentários devidamente preenchidos ao meu post sobre o Tony Carreira. Isto um tipo já sabe, neste país ninguém se pode meter com assuntos sagrados como Fátima, o Fado, o Futebol e o Tony Carreira. Mas como eu sou audaz meti-me como ele... salvo seja...

Eu não venho para aqui mandar vir com comentários alheios, porque se eu tenho a opção de comentários é porque gosto de saber o que as pessoas acham dos posts. Por isso até fiquei bem contente por receber acérrimas defesas do referido cantor. Isto porque sou um democrata. Também sou um psicopata, mas isso não interessa tanto para o presente assunto.

Dentro desse espírito de democracia, resolvi que hoje não vou comentar em estilo galhofeiro nenhuma bela trilha do Tony Carreira, mas vou isso sim comentar os dois comentários que me fizeram, esperando assim obter, quiçá, mais algumas respostas irritadas e acesas... É que estou mesmo a precisar de voltar a dar vida ao blog.

Para quem não se lembra o post em causa é este.

Ora um indivíduo que dá pelo nome de Tonydependente (eh pá, não comecem a fazer trocadilhos com toxydependente, vocês são danados) escreveu:

"Ao menino dono deste blog:
O Tony é simplesmente o maior e o melhor cantor que Portugal alguma vez já viu,(como é k não serão os outros) portanto reduza-se à sua insignificância e deixa o homem fazer a vidinha dele!!!"

Fico contente por me acharem um menino. É que os anos passam e de vez em quando somos levados a questionar a nossa juventude. Quanto ao Tony ser o melhor cantor de Portugal, o Toxy acha que sim, não vou contrariá-lo, mas o maior é mentira. Lembro que pelo menos o Rui Reininho e o Luís Represas são mais altos, por isso estamos aqui perante uma falácia. Reduzir-me à minha insignificância é a minha especialidade, portanto assim o farei. Deixar o homem ir à vidinha dele... é a minha outra especialidade, que eu não quero nada com homens (embora respeite quem queira, se não começo já a receber comentários odiosos outra vez).


Mas a investida da malta com uma vida muito interessante, que passa por ir a concertos de qualidade indubitável, não ficou por ali e uma Mariana atirou:

"ó meu granda palhaço!olha fartei me de rir com o gozo que fizeste com a musica do tony carreira!deves pensar que tens muita piada tu.é por haver gente como tu que isto anda assim.só podridão!ca nojo!Pois fica sabendo que o Tony ta simplesmente a cagar se para gente como tu.eu so fã dele,e nao gosto nada de andar a ler estas merdas sobre uma pessoa que nao merece,que tem lutado para chegar onde chegou.a fama nao lhe caiu do céu!nao ficou famoso por andar a fazer blogs de merda como o teu.foi pelo talento dele e pela sua humildade.PALHAÇO!"

Gosto sobretudo do epíteto de palhaço no princípio e no fim do comentário. Tendo eu o audaz objectivo de tornar este blog minimamente humorístico... ser designado de palhaço foi o mais caloroso elogio que algum leitor do blog me ofereceu até hoje. Depois diz que se fartou de rir e mais uma vez fiquei agradado. Gosto ainda do estilo Saramago com que o comentário está escrito. Acho que depois de Orhan Pamuk... só Mariana Fã de T Carreira se poderá prestar a ganhar o Nobel. Depois de repente a esquizofrenia revela-se e afinal eu sou o estandarte do nojo, da podridão e daqueles que maltratam quem tanto lutou para chegar onde chegou. Ora eu nunca gozo com a luta das pessoas, tirando uma vez em que gozei com um amigo meu, mas é que ele lutava mesmo à menina. Se a cara Mariana tivesse uma vida, percebia que isto é tudo galhofa, e que à mesma hora que eu estava a brincar com a letra de uma canção, estava o Tony a parodiar com a falta de precisão do meu corte cirúrgico ou com a maneira totó como eu prescrevo vitaminas a toda a gente.

Tenho dito...

Iscrever male é qui é, tá-çe beim



Hoje à hora de almoço deparei-me com mais um dos frequentes erros que enchem de glamour as barras noticiosas dos telejornais. No caso, a TVI noticiava que "Um Rally-Paper tinha sido a forma escolhida para comemorar o aniversário do Conselho da Trofa". Não sei que Conselho da Trofa será esse... se um conjunto de pessoas iluminadas, se uma comissão destinada a avaliar a Trofa, se o que seja.

Mas seja o Conselho o que for, era agradável que aconselhassem a jornalista responsável pela escrita das ditas barras a aprender a diferença entre um Concelho e um Conselho, talvez até entre uma Descriminação e uma Discriminação, ou temas do género. Aí sim, o conselho levaria ao bom uso do concelho.

sábado, novembro 11, 2006

As estrelas são cegas



Ter um pai dono da cadeia Hilton permite uma catrefa de extravagâncias, desde aparecer em vídeos pornográficos caseiros na internet a ver músicas produzidas por grandes estúdios. Vamos ver como Paris coordena tão vastas actividades nesta análise da letra de "Stars are Blind".


"I don't mind standing sometime
Just hanging here with you (será uma homenagem ao cãozinho Tinkerbell?)
Cause I don't find too many guys
That treat me like you do (ai não, afinal é a um dos famosos matulões...)
Those other guys all wanna take me for a ride (ela não, são eles...)
But when I walk they talk of suicide
Some people never get beyond their stupid pride (é verdade... preconceituosos!)
But you can see the real me inside (consta que sim, consta que sim...)
And I'm satisfied oh no oh

Chorus:
Even though the gods are crazy (pois, quem paga agora são eles)
Even though the stars are blind (são elas e o Stevie Wonder)
If you show me real love baby (até já os bebés são metidos ao barulho)
I'll show you mine (aparentemente algo que a Paris faz com facilidade)
I can make you nice and naughty (sem comentários)
Be the devil and angel too (versos repetidos não vale, hein?)
Got a heart and soul in body (isto sim é filosofia do mais alto quilate)
Let's see what this love can do
Maybe, I'm perfect for you (you = tudo o que se mexa)