terça-feira, fevereiro 23, 2010

Noite



Suaves ruídos. Um choque de roda com milhões de partículas de água numa poça que teima em não desaparecer da estrada. O motor afastado e esquecido de um avião que já leva na cabeça o destino final. Passos apressados de quem sabe para onde vai e o pouco tempo que tem.

A noite traz o silêncio. Com o silêncio da noite vem todo um novo mundo de sensações. Não há ruídos. Não há distracções. A adoração da noite tem a ver com isto. Com o contraste. Há uma espécie de paragem durante a noite. Pequenos oásis de som, espalhados aqui e ali, perpetuam o som num volume bem alto, para compensar pelo resto da noite. Nesses oásis juntam-se adoradores do som. Fazem hoje com o som o que no passado já alguns fizeram com o sol.

Cá fora o som do silêncio permanece. Consigo ouvir o camião do lixo, que se aproxima. Vem sempre. Não falha. Se um dia não vier a esta hora sei que algo se passou. Problema na central. Fim de todo o lixo no mundo. Algo se terá passado.

O dia tem a verve da loucura, partilha e alegria. A noite traz o silêncio. O silêncio traz a paz. E a meditação.

Shhhht!

2 comentários:

Eu disse...

Também tenho essa espécie de culto da noite.

Mas a melhor noite de todas...é nas terrinhas. Bem longe de qualquer coisa que se chame civilizada!

Se não ouvir o "gri gri" sei que qualquer coisa se passou. Ou que os grilos deixaram de existir! ;)

Escreve, escreve!! =D **

CDA disse...

Gosto deste novo registo.
Beijinhos