quinta-feira, agosto 19, 2004

Vamos ao circo

250


Todos os anos, em Agosto, vejo cirandar uma carrinha do circo pelas ruas da outrora pacata vila alentejana onde passo férias. Uma voz gravada e ampliada pelo altifalante anuncia, entre outras diversões, simpáticos porquinhos e ursos do Cánadá (assim mesmo, com dois acentos, para parecer que o senhor que gravou a cassete é também ele estrangeiro, talvez pertencente ao circo do Mónaco). O espectáculo reúne centenas de pessoas e, no ano seguinte, certo de outro sucesso, regressa à vila com renovado vigor.

O circo perturba-me. Os porquinhos até podem ser simpáticos e não discuto a origem dos ursos mas há imagens que me impressionam. Meia dúzia de leões tristes enclausurados numa jaula pequena; macacos sem árvores para trepar; cãezinhos vestidos de bailarinas ou com o equipamento de clubes de futebol. E não só animais ... É o ilusionista que troca de roupa no intervalo e se transforma no atirador de facas; a assistente do ilusionista que tem quase sempre mais de 50 anos e ainda acumula as funções de trapezista com collants esburacados e de vendedora de amendoins; o palhaço pobre e o palhaço rico, ambos com piadas paupérrimas.

Sentada na plateia, contemplo com desagrado as exibições dos supostos artistas e os truques contrariados dos animais. Acho que estou sozinha na minha reprovação. Em volta, todos se riem eufóricos e abanam a cabeça ao som de músicas populares, enquanto os palhaços, agora convertidos em mercadores, lhes impingem canudos coloridos de plástico que se iluminam na escuridão da tenda.

Sem comentários: