quinta-feira, abril 29, 2004

Eu é que sou o presidente da junta



Com o seu sistema de milhares de câmaras espalhadas pelo país, o Oranginalidade conseguiu ter acesso completo a um dia inteiro de um Presidente de Junta de Freguesia em Portugal. Para não ferir susceptibilidades (e também porque o autor não quer ser preso... até é capaz de ser mais por causa disso...) vamos chamar à freguesia... Freguesia de Sardinha nas Brasas do Carvão em Baixo e ao nosso presidente Toni Manel Sousa ou algo que o valha... "Toni, ganda maluco" para os amigos... e "Shô presidente" para outros habitantes da freguesia.

O Dr. Toni acorda (o que é logo um milagre... como se chama doutor a um senhor com a quarta classe) na sua casa solarenga, com vista para o vale. A sua casa por fora não é a maior da aldeia sede de freguesia, isso dava muito nas vistas, mas por dentro está equipada com tudo do melhor. Por cima da cabeceira da cama está pendurado um crucifixo, e na parede em frente aos pés da cama, a fotografia de Toni a ser condecorado com a Grande Cruz da Ordem... da Ordem... parece que era da Ordem de chegada dos aviões ao aeroporto de Pedras Rubras.

Depois da sua higiene e refeição matinais, Toni mete-se ao volante da sua "pick-up" e lá chega à estrada alcatroada em direcção à casa que alberga a Junta. Parece que é dia de receber os cidadãos... O senhor "Jaquim" queixa-se das obras na estrada que não o deixam entrar em casa. A dona Elizete diz que o carteiro deixa sempre um niquinho dos envelopes de fora da caixa do correio. O senhor Reinaldo queixa-se da próstata... ao que parece a fila para ser atendido pelo presidente era mais pequena que a do posto médico... e como são ambos no mesmo sítio e as portas uma ao lado da outra... o senhor Reinaldo pensou que tinha descoberto a pólvora. Afinal acabou por só receber um sorriso amarelo do shô presidente e a garantia de que ia pensar no problema dele.

O shô presidente vai então almoçar com os industriais importantes da aldeia: a dona Marisa, proprietária da vacaria, o senhor Alfredo, que faz bonecos de madeira... e o Pipas, que é o dono do café-snack bar "Jogo da Bola". Depois de se inteirar dos progressos financeiros da manhã na sua aldeia, passa a tarde a visitar as casas que estão a ser construídas na aldeia. Claro... vai logo vendo quais os andares dos prédios que apanham mais sol, já que vai ter de escolher um, não é? Simpatia dos construtores, só isso... E tão lindo que é construir casas em leitos de cheia e terrenos agrícolas e ecológicos.

Depois deste dia muito intenso, o Toni ainda passa no "Jogo da Bola" para beber uma "begeca" e mordiscar uns tremoços, e volta para casa para jantar com a sua Maria. O serão é passado também com a sua esposa e com os meninos... o Márcio e a Tonicha... toda a família junta a ver os Malucos do Riso!

E assim se passa um dia em Sardinha nas Brasas do Carvão em Baixo...

Sem comentários: